Tara – uma manifestação do aspecto feminino iluminado

Tara

Tara (Sânscrito: Syamatara; Tibetano: Sgrol-ljang) é conhecida na filosofia budista como a Grande Deusa Bondosa, a Salvadora, “senhora dos barcos”, salva os ‘náufragos’ do mundo, leva-os do oceano do samsara para a ‘outra margem’ que é o nirvana. Sua essência é o ar, o vento, “nosso hálito da vida, inspirando-nos a viver, a nos movimentarmos e a agir de acordo com a verdade”[1]. É considerada veloz, por sua atitude rápida a ajudar, sem impedimentos por sua grande sabedoria e compaixão. Ela é a divindade nacional do Tibete,  a grande mãe da compaixão, o aspecto feminino de Buda (do ser desperto), indissociável do estado desperto iluminado.

Tara, a Salvadora, a Libertadora, apareceu no século II. Seu culto se estendeu sobre praticamente todo o território afro-egeu-asiático e teve seus devotos por toda população pré-ariana da Índia.

A origem do culto de Tara é descrita pelo famoso escritor e historiador medieval Taranatha no seu livro de 1608: “A origem do tantra de Tara”. Segundo o autor, o mito de Tara conta que numa era muito antiga (um “eon” – o tempo entre o aparecimento e o desaparecimento de um Universo), havia uma princesa chamada “Lua de Sabedoria”, que era discípula de um Buddha, que era seu Guru e recebeu dela uma oferenda de 19.000m3 de preciosidades por sua imensa devoção. Por essa devoção esta princesa atingiu as mais altas realizações espirituais.

Foi lhe dito que, como um dos diversos resultados de sua prática, ela ia renascer como homem, pois era mais benéfico do que nascer mulher, porque poderia viver na floresta, ou numa gruta deserta, sem ser molestada. Mas a princesa não aceitou, pois já haviam muitos iluminados sob a forma masculina e a forma feminina poderia inspirar mais mulheres. Ficou em retiro e após longas meditações ela atingiu o altíssimo estado de “não origem”, o estado real da mente e dos fenômenos “incriados”, sem início ou fim, ilimitado.

A partir de então ela passou a ser conhecida como Tara (Tare ou Drolma) a “salvadora”, ou “aquela que libera” e também como Arya Tara, a Nobre Tara, a Salvadora, a Estrela, Grande Veloz, Protetora e Eliminadora dos Oito Medos[2]. Tara é uma “deidade meditacional”, corporificação da atividade de todos os Buddhas.

Em seu mito, conta-se que Avalokiteshavara, o Buda da Compaixão, que em profundo pesar pelos sofrimentos do seres no samsara, derramou infindáveis lágrimas dos olhos formarando um lago no qual emergiu uma flor de lótus. Quando a flor se abriu, a maravilhosa Tara saiu de dentro dela, prometendo ao Buddha defender a todos os seres em todos os mundos, de forma imediata e heróica, para remover obstáculos, para proteção e em situações de medo. Conta-se também que na época de Buda Amogashidhi (em outro éon), Tara entrou em novo estado de concentração para proteger os seres do perigo dos medos e dos demônios e beneficiou muitos seres oferecendo-lhes muita ajuda imediatamente quando chamada. Este estado é chamado “a concentração que completamente conquista os demônios”. Por ser sempre veloz em socorrer, ela foi conhecida como rápida e corajosa.

Figura – Tara

O termo Tara é derivado da raiz “tri”, “atravessar”, possui o mesmo sentido em tibetano, correspondente a “Dreulma” ou “Drölma”. Como “Senhora do Barco”, ela conduz a alma que atravessa a corrente do samsara rumo à distante margem do nirvana. Tara tem o poder eterno de salvar as criaturas atravessando-os com total segurança pelo horrível “oceano da existência fenomênica, pois o mar inteiro é o brincar cintilante e ondulante de sua shakti”.

Figura – Estátua Tara

O barco representa um símbolo de salvação. Tara é a Grande Deusa Bondosa que acalma a correnteza, com o apoio de suas inúmeras barqueiras trabalhando para salvar náufragos.

Tara é o arquétipo da Sabedoria interna que reside em todos os seres sencientes. Ela protege e guia até mais profundo inconsciente, ajudando a libertá-lo para a consciência.

Tara Verde é representada sentada sobre uma flor de lótus emergindo de um lago, porém quase todos os budas são apresentados sobre o lótus, sentados ou de pé. Veste roupas de realeza, com diversas cores e uma blusa ornamentada com jóias, mas que não cobrem seus seios. Na cabeça há uma tiara com jóias e um rubi ao centro simbolizando Amitabha, seu pai espiritual da família búdica do lótus. Cada mão mostra um mudra e possui o talo de uma flor de lótus com uma flor aberta e dois botões, indicando o alcance de sua atividade em todos os tempos. A perna esquerda está encolhida, indicando sua renúncia as paixões mundanas, mas a perna direita se estende e sai da flor, indicando sua presteza para acudir e ajudar todos os seres.

Seu mudra da mão direita é o de “dar-oferecer”, indicando sua habilidade para oferecer a todos os seres o que necessitam, enquanto a mão esquerda, na altura de seu coração, faz o mudra de “oferecer refúgio”.

Figura – Mandala de Tara I

Figura – Mandala de Tara II

Tara é descrita como “da cor da lua, calma, sorridente, sinuosa, irradiando luz de cinco cores…”. Sua terra pura chama-se “harmonia das folhas de turquesa”, mas possui 21 manifestações, com cores diferentes, que se expressam de acordo com a necessidade.

Deusa da Compaixão – Aquele que Salva
Os diamantes são sua pedra sagrada.

Tara ou Arya Tara, também conhecido como Jetsun Dolma, é um Bodhisattva feminino tipicamente associada com o budismo tibetano. Ela é a “mãe de libertação”, e representa as virtudes de sucesso no trabalho e realizações.

Tara é realmente o nome genérico para um conjunto de Bodhisattvas de aspecto semelhante. Estes podem ser mais apropriadamente entendida como aspectos diferentes da mesma qualidade, como Bodhisattvas são muitas vezes considerados metafórica para virtudes budistas. Como Mahatara, Grã Tara, ela é a criadora suprema e mãe de todos os Budas e Bodhisattvas.

Tara é o arquétipo da deusa feminina na mitologia hindu. Tara governa o submundo, a Terra e os céus, nascimento, morte e regeneração, amor e guerra, as estações, tudo o que vive e cresce, os ciclos da Lua – Luna – feminino – criação. Normalmente, Tara é vista como uma mulher esbelta e bonita de pele branca, longos cabelos dourados e olhos azuis.

Seus animais são a porca, égua, coruja e corvo.

Ela é a figura mais popular do panteão de divindades do Tibete, a bela deusa Tara, (pronuncia-tah ‘rah), cujo nome nos meios’ Star ‘- teve origem na Índia o hinduísmo como o Criador, Mãe e suas muitas representações espalhar da Irlanda à Indonésia sob muitos nomes diferentes.

Na tarde escrituras hindus, ela é descrita como uma das oito principais aspectos do Princípio do Feminino Divino, uma manifestação de amor em contraste com a ferozes Kali. Como uma estrela que perpetuamente consome a sua própria energia, Tara representa os desejos infindáveis ​​que alimentam toda a vida.

Adoptada pelo budismo do hinduísmo no século terceiro aC, Tara aparece no budismo, jainismo e, particularmente, lamaísmo tibetano, como um conjunto complexo de manifestações: deusa do ascetismo e misticismo, criador mãe, protetora de todos os seres humanos como eles cruzam o mar de vida.

O Taras mais amplamente conhecidas são:

  • Tara Verde, conhecida pela atividade de compaixão, a consorte do Buda Dhyani Amogasiddhi, e se encarna em todas as mulheres boas.
  • Tara Branca, também conhecida por compaixão, longa vida, cura e serenidade, também conhecido como The Wish-cumprimento da roda, ou Cintachakra. Como Tara Branca, levantou-se de uma floração de lótus no lago que se formou a partir da primeira lágrima de compaixão da grande bodhisattva Avalokiteswara (cuja encarnação humana é o Dalai Lama), e é considerado o seu consorte.
  • Tara Vermelha, de aspecto feroz associada a magnetização todas as coisas boas
  • Preto Tara, associado com o poder
  • Tara Amarela, associada à riqueza e prosperidade.
  • Tara azul, associada com a transmutação de raiva
  • Cittamani Tara, uma forma de Tara amplamente praticada na Escola Gelug do budismo tibetano, retratado como verde e muitas vezes confundida com Tara Verde

Há também o reconhecimento em algumas escolas do budismo de 21 Taras. Um texto prática, intitulado “Em louvor do Taras 21″, é recitada durante a manhã em todas as quatro seitas do budismo tibetano.Alguns budistas tibetanos praticar uma meditação mantra chamado prática de Tara. O mantra Tara principal é; Om Tare Tu Tare Ture Soha.

A estátua original de bronze que remonta ao século 7 ou 8 foi encontrado no nordeste do Sri entre Trincomalee e Batticaloa. Sua altura total é de 143.75 cm ou 56,6 polegadas. Sua mão direita está no gesto de vara mudra ea mão esquerda está no gesto de vitarka mudra. O contraste marcante da cintura delgada contra seios pesados ​​e quadris é o ideal da beleza feminina. A deusa, digna e graciosa nessa manifestação, representa a castidade ea virtude ea personificação do amor, compaixão e misericórdia.

As vibrações do nome de Tara pode ser encontrada em outras culturas.

Mitologia polinésia: Tara é uma deusa do mar lindo

América: Terra, a Mãe Terra

Druids: chamou sua mãe deusa Tara.

Finlândia: Uma antiga lenda fala de Tar, as mulheres de Sabedoria.

América do Sul: tribo indígena na chamada selva à sua deusa, Tarahumara.

Nativo americano: as pessoas Cheyenne dizer de uma mulher estrela que caiu do céu para a Terra. Fora de seu corpo todos os alimentos essenciais cresceu. Ela enviou seu povo para acasalar com os habitantes mais primitivos da Terra, dando-lhes a capacidade de sabedoria.

Tibet:

    Tara é conhecida como o fiel, a protetora Fierce, um arquétipo da sabedoria interior. Eles falam de uma transformação da consciência, um caminho para a liberdade. Eles ensinam muitos meios simples e diretas para cada pessoa a descobrir dentro de si a sabedoria, compaixão e glória que é Tara. Ela é a contraparte feminina do bodhisattva – Buddha-a-ser – Avalokitesvara.Segundo a crença popular, ela veio a existir a partir de uma lágrima de Avalokitesvara, que caiu no chão e formaram um lago. Fora de suas águas se levantou uma flor de lótus, que, na abertura, revelou a deusa. Como Avalokitesvara, ela é uma divindade de compaixão que ajuda a ‘cruz para a outra margem’ almas. Ela é a protetora de navegação e de viagem terrestre, bem como de viagens espirituais ao longo do caminho para a Iluminação.

    No Tibete ela é acreditado para ser encarnada em toda mulher piedosa, e as duas esposas – uma princesa chinesa e uma princesa nepalesa – do primeiro rei budista do Tibete, Srong-brtsan-SGAM-po, foram identificados com as duas principais formas de A Tara Tara Branca (em sânscrito: Sitatara; tibetano: Sgrol-dkar). encarnou como a princesa chinesa. Ela simboliza a pureza e é freqüentemente representado em pé à mão direita de seu consorte, Avalokitesvara, ou sentado com as pernas cruzadas, segurando uma flor de lótus completo. Ela é geralmente mostrado com um terceiro olho.

    Tara às vezes é mostrado com os olhos nas solas dos pés e as palmas das mãos. Então, ela é chamada Tara das Sete Olhos, uma forma da deusa popular em Mongoli.


DEUSES E GODDESES da Índia antiga

As 21 Taras estão agrupadas em torno de Tara Verde central:

1. (Nyur.ma.pa.mo) – Tara Vermelha – A Ágil Heroina: Pacifica as aflições por causa dos obstáculos.

2. (Yang.chen.ma) – Tara Branca – “A Grande Pacificadora” – Saraswati -  pacifica as obscurações.

3. (Sö.nam.chog.ter.ma) – Tara Amarela (com uma leve tonalidade azul) – A Doadora da Virtude Suprema ou “Tara que Acrescenta.” -   Aumenta a longevidade e a riqueza.

4. (Nam.gyal.ma) – “Tara da Força Vital” – A Toda Vitoriosa  – Branca.

5. (Rig.je.ma) – “Tara que ressoa com o HUM” – A Doadora de Inteligência – vermelha/amarela.

6. (Jig.je.ma) – “Tara Vitoriosa sobre os Três Mundos” – A que Amedronta -  preta (com alguns tons vermelho).

7. (Shen.gyi.mi.tub.ma) – A Invencível – “Tara que esmaga as Outras Forças.” -  preta.

8. (Shen.le.nam.par.gyal.ma) – “Tara Pulveridoras dos Maras” – A Conquistadora de Outros vermelha/preta

9. (Jig.ten.sum.la.gyal.ma) – “Tara que incorpora as Três Jóias.” – A Salvadora da Floresta Aromática – branca

10. (Jig.ten.sum.la.gyal.ma) “A Grande Subjulgadora.” – A Conquistadoras dos Três Reinos Mundanos – vermelha

11. (Nor.ter.ma) – “Tara que Elimina a Pobreza.” – A Provedora de Prosperidade vermelha/amarela

12. (Ta.shi.dön.je.ma) – A Auspiciosa – “Tara que confere Condições Auspiciosas.” – vermelha/amarela

13. (Da.pung.som.ze.ma) – “Tara que Arde em Chamas.” – A Destruidora de Forças Oponentes – vermelha.

14. (To.nyer.chen) – A Irada – “Tara de Olhar Irado.” vermelha/preta.

15. (Rab.shi.ma) – “A Grande Pacificadora.” – A Muito Pacífica -  branca

16. (Bar.wä.od.chen.ma) – A Luz Esplendorosa – “Tara que Salva por Meio do HUM.” – vermelha.

17. (Pag.me.nön.ma) – “Tara que faz os Três Mundos Tremer.” – A Subjulgadora de Inumeráveis Forças Maléficas -  vermelha/amarela.

18. (Ma.ja.ma) – “Tara salva os seres do veneno dos espíritos-nagas.” – A Que Neutraliza o veneno A.k.a. – branca.

19. (Mi.pam.gyal.ma) – A Rainha Invencível – “Tara que Elimina os Conflitos e os Sonhos Ruins.” – branca.

20. (Ri.tö.ma) – “Tara que Elimina Enfermidades.” – A Mendiga que reside na Montanha – vermelha/amarela

21. (Öd.zer.chen.ma) – Raios de Luz – “Tara que realiza todas as Atividades Iluminadas; branca.

Figura – Tara Branca

O mantra de Tara Verde, tem a função de trazer suas bênçãos para aquele o entoa total concentração e devoção. Assim o mantra de Tara OM TARE TUTTARE TURE SOHA, significa:

Figura – Mantra de Tara Verde

OM: as qualidades do corpo, palavra e mente dos Buddhas. É a meta;

TARE – “aquela que liberta” – de apegos e sofrimentos temporais-

TUTTARE – “Que elimina todos os medos” (oitos medos causados pelas oito ilusões: l. Apego (enchente). 2 – Ira (fogo). 3 – Ignorância (elefante). 4 – Inveja (serpente). 5 – Orgulho (leão). 6 – Avareza (correntes da prisão). 7 – Visões erradas (ladrões). 8 – Dúvida (fantasmas));

TURE – “Que concede todo sucesso” e liberta dos obscurecimentos sutis, apegos e individualidades;

SOHA – “Que essas bênçãos se concretizem”, que cheguem ao coração e a mente.

Figura – Mandala do Mantra de Tara Verde

Figura – Roda de Tara

A sílaba semente de Tara é TAM, visualizada em verde, simboliza o elemento ‘vento’ou ‘ar’ de todos os Budas. Isso explica sua presteza, rapidez e eficácia ao ajudar os seres, ou seja ela é a energia que movimenta, que faz as coisas acontecerem de forma mais imediata.

Figura – Sílaba semente TAM


[1] Fremantele, Francesca. Vazio Luminoso, p126

[2] Oito grandes medos:  Tradicionalmente diz-se que Tara protege contra os oito grandes perigos tais como: medos externos: 1.Inundações,  2. Fogo,  3. Elefantes,  4. Serpentes,  5. Leões,  6. Prisões,  Aprisionam, 7. Ladrões,   8. Demônios; Medos Internos:  1. Apego, 2. Raiva, 3.Ignorância, 4. Ciúmes, 5.Orgulho, arrogância, 6. Ganância, 7. filosofias incorretas, 8. Dúvidas

…………….

s 21 formas de Tara

1. Rápida Senhora da Glória:Pacífica e charmosa, para pacificar as aflições devido a obstáculos; para exercer influência positiva sobre aqueles que estão errados. Tara Vermelha a salvadora veloz que concede o poder do controle e da persuasão eficaz

2. Senhora da Suprema Paz:Brilhantemente branca, expressão pacífica para curar doenças, maledicências ou influências demoníacas e problemas. A grande e pacíficaTara Branca que pacifica a negatividade causada por espíritos, o carma negativo, as delusões e as doenças

3. Senhora da Cor Amarela Dourada: Amarela, expressão charmosa para aumentara longevidade e riqueza. A grande incrementadora, Tara Dourada, que aumenta a longevidade, o mérito, a boa fortuna, a riqueza e a fama

4. Senhora da Vitória Completa, Corporificação de Todas as Qualidades Positivas: Amarela, charmosa expressão para conceder longevidade. A grande Tara Amarela da vida longa.

5. Aquela que Proclama o Som de Hung: Laranja, gargalhando com apaixonada expressão para dominar e influenciar as pessoas. A grandeTara do mantra HUM, que atrai outros seres para perto de nós.

6. Aquela que é Completamente Vitoriosa Sobre os Três Mundos:Vermelho-escuro, levemente irada para domar espíritos (Bhuta). A Tara Negra-e-Vermelha, vitoriosa sobre os Três Reinos, que protege contra o mal produzido por espíritos, levando-os à loucura

7. A que Conquista os Outros: Expressão irada para desviar os mantras nocivos dos outros. A Tara Negra, levemente irada, que desfaz toda magia negra e feitiços negativos

8. A que Conquista Maras e Inimigos: Vermelho-escuro, expressão irada e aborrecida para eliminar os danos causados por inimigos. A Tara Vermelha , destruidora do inimigo Mara, que destrói os quatro tipos de maras.

9. A que Protege Contra Todos os Medos: Branca, pacifica e expressão risonha. Tara Branca, as três sublimes, que protege todos os seres do perigo e do medo.

10. A que põe os Maras e o Mundo sob seu Poder: Vermelha, charmosa e expressão gargalhante, domina todos os Maras e forças obstrutivas. Tara Vermelha, destruidora de maras, que controla o mundo.

11. A que Erradica a Pobreza: Expressão charmosa para erradicar todas as formas de pobreza. Tara Laranja eliminadora da pobreza, que traz prosperidade.

12. A que Garante Tudo o que é Auspicioso: Expressão charmosa para assegurar as condições auspiciosas. A Tara Laranja da beleza auspiciosa, que torna tudo auspicioso

13. Metar Barma: A Tara Vermelha que emite fogo, que corta através de seu inimigo mas não machuca os outros.

14. A que é Tremendamente Irada: Irada com expressão carrancuda e irritada para suprimir problemas. Tara Negra, levemente enrugada, que corta através das interferências.

15. A Supremamente Pacifica: Branca, expressando excelente paz, para pacificar o efeito das nossas próprias ações maléficas. Tara Branca, a grande pacificadora, que traz harmonia

16. Tara que nasce do Hung da Consciência intrínseca: Vermelha, expressão charmosa para aumentar o conhecimento transcendental e sabedoria. Tara Vermelha, liberadora da sabedoria-HUM, que traz sabedoria e aumenta o poder dos mantras.

17. A que faz Tremer os Três Reinos: Laranja, expressão charmosa, para pacificar maras e forças obstrutivas. Tara Laranja, que estremece os três Reinos e controla o poder dos mantras.

18. A que Neutraliza Veneno: Branca, para pacificar as venenosas influências de espíritos-nagas. Tara Branca, que elimina os venenos e supera seus efeitos.

19. A que Alivia Todo Sofrimento: Branca, pacífica, sorrindo, para dissipar disputas e conflitos, e sonhos maus. Tara Branca, para liberação de prisões e para superar discussões e brigas.

20. A que Remove a Peste: Laranja, pacifica, para guardar contra as epidemias e dissipá-las. Tara Laranja, para eliminação de doenças contagiosas

21. A Completamente Perfeita de Todas as Atividades Iluminadas:Branca, pacífica, charmosa para completar e aperfeiçoar todas as atividades. Tara Branca, cujas ações veneráveis tornam todas as atividades bem-sucedidas.

BY PEMA TZEWANG

Comments are closed.